quinta-feira, 14 de julho de 2011

Praia de Tambaba, a primeira do Brasil a permitir o naturismo por lei municipal

No inicio da década de 80 o ditadura dava sinais de que estava se dissolvendo e a democracia começou a tomar forças novamente. Um grupo em Santa Catarina, na cidade de Camboriú, começou a tomar banho sem roupas numa praia deserta e estranha chamada “Praia do Pinho”.
Em 1984, a revista Manchete, a maior revista semanal do Brasil à época, apresentou uma reportagem da então desconhecida Praia do Pinho. A revista fez da notícia sua matéria de capa e toda edição foi vendida rapidamente. “Celso Rossi, motivado pela matéria, tomou contato com o local e, em 1986, criou a “Associação Naturista da Praia do Pinho” (atual AAPP) e, junto com Hans Frillmann, a Federação Brasileira de Naturismo” (FBrN) em 1988. O grupo do Rio de Janeiro também veio à tona, e a Rio-Nat e outros grupos saíram da clandestinidade. Rapidamente surgiram inúmeros grupos naturistas no Brasil, mas vários deles desapareceram tão rápido quanto surgiram. Vários naturistas começaram a receber outros naturistas em seus sítios e casas para fazer reuniões naturistas. A política do Brasil estava na direção da liberdade e uma nova constituição havia sido promulgada. Celso Rossi começou um grande trabalho pelo crescimento do naturismo no Brasil, criando várias associações e áreas naturistas, culminando com a primeira vila naturista da América Latina. Trata-se da Colina do Sol, que conta com casas, restaurante, mercado, academia, camping, hotel e outros.

A Praia de Tambaba foi oficializada rapidamente por lei municipal. A Praia do Abricó no Rio de Janeiro tentou fazer o mesmo e, em 1994 o prefeito do Rio de Janeiro, por recomendação do Secretário Municipal de Meio Ambiente, fez este decreto. Um advogado começou uma batalha jurídica contra o naturismo no Abricó. Isto levou Pedro Ribeiro e Sergio Oliveira (presidente e vice da associação que controlava o naturismo no Abricó) a começaram uma campanha para que fosse criada uma lei federal sobre o naturismo. Eles escreveram um projeto de lei e pediram ao Fernando Gabeira, que era Deputado Federal (do Partido Verde) que o encaminhasse na Câmara dos Deputados, em Brasília. Este projeto foi chamado de Lei Gabeira e surgiu sob o número 1411, de 1988 (atualmente o numero do projeto é PLC 13-2000). Este projeto criaria as normas para o naturismo no Brasil. a Câmara dos Deputados aprovou este projeto e enviou ao Senado. O projeto encontra-se em trâmite nesta casa. A batalha jurídica do Abricó terminou em 30 de setembro de 2003 e a Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro aprovou uma lei liberando a praia do Abricó aos naturistas. Por jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça a decisão sobre o Abricó é valida para qualquer outra praia brasileira. A FBrN conta atualmente com cerca de 300 mil naturistas no Brasil, 29 grupos regionais, dez praias oficiais e alguns clubes. O investimento para criar um Resort Naturista no Brasil é bem baixo comparando com os custos em outros países.
  
Praias
Tambaba - Conde (PB)
Massarandupió - Entre Rios (BA)
Barra Seca - Linhares (ES)
Olho de Boi - Búzios (RJ)
Brava - Cabo Frio (RJ)
Jurubá - Paraty (RJ)
Praia do Abricó - Rio de Janeiro (RJ)
Praia do Pinho - Balneário Camboriú (SC)
Praia da Galheta - Florianópolis (SC)
Praia de Pedras Altas - Palhoça (SC)

 

Clubes
Encanto de Minas (MG)
Recanto do Paraíso (RJ)
Centro Ecológico Hélio Marinho - Jurubá (RJ)
Colina do Sol (RS)
Associação dos Amigos da Praia do Pinho (SC)
Mirante do Paraíso (SP)
Rincão Naturista (SP)





Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Naturismo_no_Brasil#Praias
Postar um comentário